top of page

Um Lugar Tranquilo, Uma Hora Tranquila Um Coração Tranquilo .

















“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta,

ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto,

te recompensará publicamente. Mateus 6:6



O equipamento para a vida interior de oração é simples, embora nem sempre seja facilmente seguro. Consiste principalmente em um lugar tranquilo, uma hora tranquila e um coração tranquilo.


Um Lugar Tranquilo


Para muitos de nós, o primeiro deles - um lugar tranquilo - está ao nosso alcance. Mas há dezenas de milhares de irmãos na fé que geralmente acham impossível se retirar para a desejada reclusão do lugar secreto. Uma dona de casa em um casa com muitas pessoas, um trabalhador em hotéis da cidade, um lavrador em seus aposentos, um soldado no quartel, um menino que vive na escola, estes e muitos outros podem nem sempre ser capazes de comandar silêncio e solidão. Mas, “vosso Pai sabe” (Mt 6: 8). E é reconfortante refletir que o próprio Príncipe dos peregrinos teve a mesma experiência de pessoas como essas.


No começo do ministério público de nosso Senhor, houve ocasiões em que Ele achou difícil garantir o privilégio da solidão. Quando Seu espírito ansiava por comunhão com Seu Pai, Ele se dirigia às terras altas:

“Montanhas frias e o ar da meia-noite testemunharam o fervor de Sua oração.”

E quando, um sem-teto, Ele subia a Jerusalém para as festas, era Seu costume “recorrer” ao jardim de oliveiras do Getsêmani. Sob os ramos carregados de alguma árvore retorcida, que já era velha quando Isaías era jovem, nosso Senhor muitas vezes, durante a suave noite de verão, obsevava as estrelas.


Qualquer lugar pode virar oratório [pequena capela para orações privadas], desde que se encontre aí reclusão. Isaque foi ao campo meditar. Jacó permaneceu na margem oriental do ribeiro de Jaboque, depois que toda a sua caravana havia passado; lá ele lutou com o anjo e prevaleceu. Moisés, escondido nas fendas de Horebe, viu a glória que se desvanecia e que marcava o caminho pelo qual Jeová havia passado. Elias enviou Acabe para comer e beber, enquanto ele próprio se retirava para o solitário cume do Carmelo. Daniel passou semanas em êxtase de intercessão às margens do Hiddekel, que antes regava o Paraíso.


E se nenhum lugar melhor se apresentar, a alma que se volta para Deus pode se vestir de sossego, mesmo no saguão lotado ou nas ruas apressadas. Uma pobre mulher de uma grande cidade, incapaz de se libertar do clamor insistente dos pequeninos, fez para si um santuário da maneira mais simples. “Eu jogo meu avental na cabeça”, disse ela, “e ali está meu armário”.



Uma Hora Tranquila


Para a maioria de nós, pode ser mais difícil encontrar uma hora tranquila. Não me refiro a uma “hora” de exatamente sessenta minutos, mas a uma porção de tempo retirada dos compromissos do dia, cercada das invasões de negócios ou lazer e dedicada a Deus. Nós que vivemos com o barulho das máquinas e o rugido do tráfego sempre em nossos ouvidos, cujas obrigações de aglomeração se chocam umas com as outras com o passar das horas, muitas vezes somos tentados a separar para outros usos aqueles momentos que devemos considerar sagrados para a comunhão com o céu. Se quisermos que uma hora tranquila seja estabelecida em meio a um turbilhão de deveres, e mantida sagrada, devemos exercer tanto premeditação quanto abnegação. Devemos estar preparados para renunciar a muitas coisas agradáveis ​​e algumas coisas que são proveitosas. Teremos que resgatar o tempo, pode ser da recreação, ou da interação social, ou do estudo, ou das obras de benevolência, se quisermos encontrar espaço diariamente para entrar em nosso quarto e, tendo fechado a porta, orar ao nosso Pai que está em secreto.


Alguém é tentado a permanecer aqui e, com toda humildade e sinceridade, insistir na consideração deste ponto. Às vezes ouve-se dizer: “Confesso que não passo muito tempo no lugar secreto, mas tento cultivar o hábito da oração contínua." E fica implícito que um é melhor do que o outro. As duas coisas não devem ser colocadas em oposição. Cada um é necessário para uma vida cristã bem ordenada; e cada um foi perfeitamente mantido na prática do Senhor Jesus. Ele estava sempre envolvido no amor Divino; Sua comunhão com o Pai foi ininterrupta; Ele era o Filho do Homem que está no céu. Mas Lucas nos diz que era Seu hábito retirar-se ao deserto e orar (Lucas 5:16). Multidões se aglomeravam e O pressionavam; grandes multidões reuniram-se para ouvir e ser curadas de suas enfermidades; e Ele não tinha tempo para comer. Mas ele encontrou tempo para orar.

E esse que buscou o retiro com tanta solidão era o Filho de Deus, sem pecado a confessar, sem falta a deplorar, sem descrença a subjugar, sem langor de amor a vencer. Nem devemos imaginar que Suas orações eram meramente meditações pacíficas ou atos arrebatadores de comunhão. Eles foram extenuantes e guerreiros, desde aquela hora no deserto quando os anjos vieram ministrar ao prostrado Homem de Dores, até aquela terrível “agonia” em que Seu suor era, por assim dizer, grandes gotas de sangue. Suas orações eram sacrifícios oferecidos com forte choro e lágrimas.


Ora, se fazia parte da sagrada disciplina do Filho Encarnado que Ele observasse frequentes períodos de retiros, quanto mais nos cabe, quebrados como estamos e incapacitados por múltiplos pecados, sermos diligentes no exercício da vida privada oração!

Apressar esse dever seria nos privar dos benefícios que dele decorrem. Sabemos, é claro, que a oração não pode ser medida por divisões de tempo. Mas as vantagens derivadas da oração secreta não devem ser obtidas a menos que o façamos com deliberação. Devemos “fechar a porta”, encerrando e garantindo uma porção de tempo suficiente para o cumprimento adequado do compromisso diante de nós.

De manhã, devemos aguardar com expectativa os deveres do dia, antecipando as situações em que a tentação pode se esconder e preparando-nos para abraçar as oportunidades de utilidade que nos forem apresentadas. À noite, devemos observar as providências que nos sobrevieram, considerar nossa realização em santidade e esforçar-nos por tirar proveito das lições que Deus deseja que aprendamos. E, sempre, devemos reconhecer e abandonar o pecado.


Depois, há os inúmeros temas de oração como nossos desejos pelo bom estado da igreja de Deus, pela conversão e santificação de nossos amigos e conhecidos, pelo avanço do trabalho missionário e pela vinda do reino de Cristo podem sugerir . Tudo isso não pode ser pressionado em alguns momentos lotados. Devemos estar livres quando entrarmos no lugar secreto. Pelo menos em uma época de sua vida, Hudson Taylor estava tão ocupado durante as horas do dia com a direção da Missão para o Interior da China que achou difícil obter a liberdade necessária para a oração privada. Consequentemente, ele estabeleceu como regra acordar todas as noites às duas horas, ficar com Deus até as quatro e depois deitar para dormir até de manhã.


Na Igreja Judaica era costume reservar um espaço de tempo para meditação e oração três vezes ao dia - de manhã, ao meio-dia e à noite (Salmo 55:17; Dan. 6:10). Uma questão que tem sido frequentemente discutida, e não é sem interesse, é: se devemos empregar a hora da manhã ou da noite para nosso período mais deliberado e prolongado de espera em Deus? É provável que cada pessoa possa responder a essa pergunta da maneira mais proveitosa para si mesma. Mas sempre deve ser entendido que damos o nosso melhor a Deus.


Um Coração Tranquilo


Para a maioria de nós, talvez, seja ainda mais difícil proteger o coração tranquilo. Mc’Cheyne costumava dizer que muito de seu tempo de oração era gasto na preparação para orar. Um puritano da Nova Inglaterra escreveu: “Enquanto estava lendo a Palavra, vi que tinha um coração selvagem, que era tão difícil de suportar e tolerar diante da presença de Deus em uma ordenança, como um pássaro diante de qualquer homem”. E Bunyan comenta de sua própria experiência profunda: “Ó! os buracos de partida que o coração tem na hora da oração; ninguém sabe quantos atalhos o coração tem e caminhos perdidos, para escapar da presença de Deus. ”


Existem, em particular, três grandes, mas simples atos de fé, que servirão para manter a mente em Deus:

1. Reconheçamos, em primeiro lugar, nossa aceitação diante de Deus por meio da morte do Senhor Jesus. Nosso primeiro ato em oração deve ser a entrega de nossas almas ao poder do sangue de Cristo. Era pelo poder do sacrifício ritual que o sumo sacerdote em Israel passava pelo véu no dia da expiação. É pelo poder da oferta aceita do Cordeiro da designação divina que temos o privilégio de entrar na presença de Deus. “Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário pelo sangue de Jesus, por um caminho novo e vivo, que Ele nos consagrou, através do véu, isto é, Sua carne; e tendo um sumo sacerdote sobre a casa de Deus; aproximemo-nos com um coração verdadeiro em plena certeza de fé, tendo nossos corações purificados de uma má consciência e nossos corpos lavados com água pura. Retenhamos firmemente a profissão de nossa fé sem vacilar; (pois é fiel aquele que prometeu) ”(Hb. 10: 19-23).

2. É importante também que confessemos e recebamos a graça capacitadora do Espírito Divino, sem o qual nada é santo, nada é bom. Pois é Ele quem nos ensina a clamar: “Aba, Pai”, que nos leva às profundezas de Deus, que nos revela a mente e a vontade de Cristo, que ajuda nossas enfermidades e intercede por nós “segundo Deus." E “todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (2 Coríntios 3:18).


Quando entramos na câmara interna, devemos nos apresentar a Deus com mansidão e confiança e abrir nosso coração para a entrada e o enchimento do Espírito Santo. Portanto, receberemos do Espírito que ora e nos comprometeremos com o Cristo que ora, aquelas petições que são de nascimento divino, e se expressam, por meio de nossos corações finitos e lábios manchados de pecado, em “gemidos inexprimíveis” (Rm 8 : 26). Sem o apoio do Espírito Santo, a oração se torna um assunto de incrível dificuldade. “Quanto ao meu coração”, disse alguém profundamente exercitado neste compromisso, “quando vou orar, acho tão repugnante ir a Deus, e quando estou com Ele, tão repugnante ficar com Ele, que muitos Às vezes sou forçado em minhas orações, primeiro a implorar a Deus que Ele tome meu coração, e coloque-o sobre Si mesmo em Cristo, e quando estiver lá, Ele o mantenha lá. Não, muitas vezes não sei pelo que orar, estou tão cego, nem como orar, sou tão ignorante; somente, bendita seja a graça, o Espírito ajuda nossas enfermidades. ” (Bunyon)


3. Uma vez que o meio escolhido pelo Espírito de iluminação, conforto, vivificação e repreensão é a Palavra de Deus, é bom para nós, no início de nossas súplicas, direcionar nossos corações para as Sagradas Escrituras. Ajudará muito a acalmar a mente “contrária” se abrirmos o livro sagrado e o lermos como na presença de Deus, até que saia da página impressa uma palavra do Eterno. George Müller confessou que muitas vezes não conseguia orar antes de firmar sua mente em um texto. Não é prerrogativa de Deus quebrar o silêncio? “Quando disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração te disse: O teu rosto, Senhor, buscarei ”(Salmo 27: 8). Não é apropriado que Sua vontade ordene todos os atos de nossa oração com Ele? Vamos ficar em silêncio diante de Deus, para que Ele possa nos moldar.


- Adaptado de The Hidden Life of Prayer, de David MacIntyre.




93 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page