top of page

A Fidelidade de Deus para com Israel

Leitura da Escritura: Romanos 11

Em preparação para esta edição sobre a Segunda Vinda de Cristo, tive o privilégio de ler sobre a teologia fim dos tempos de grande número de homens de Deus dos anos 1700 e 1800. O que mais me chamou a atenção nesses escritos foi o consenso geral de que a Palavra de Deus revela que haverá uma conversão dos judeus no fim dos tempos e, em vários escritos, uma restauração dos judeus à terra da Palestina. Isto é ainda mais digno de nota, se considerarmos que estes homens viveram antes da abertura do caminho, nos anos 1900, para os judeus começarem a regressar a Israel. Aqui estão algumas de suas declarações:

"Nada é mais certamente predito do que esta conversão nacional dos judeus em Romanos 11." - Jonathan Edwards (1703-1758)
"Eu sou um daqueles que acreditam na restauração e conversão de Israel; que a recebem como uma certeza futura, que todo o Israel será reunido, e que todo o Israel será salvo." - Horatius Bonar (1808-1889)
"Nas Escrituras, a glória e a ressurreição da igreja dos primogênitos estão sempre ligadas ao tempo em que Israel (que terá regressado à sua terra em incredulidade) 'conhecerá o Senhor'." - George Müller (1805-1898)
"Penso que não damos importância suficiente à restauração dos judeus. Não pensamos o suficiente nisso. Mas, certamente, se há algo prometido na Bíblia é isso." "É certo que os judeus, como povo, ainda possuirão Jesus de Nazaré, o Filho de Davi, como seu Rei, e que regressarão à sua própria terra." - C. H. Spurgeon (1834-1892).
"O segundo grande evento que, de acordo com a fé comum da igreja, deve preceder o segundo advento de Cristo, é a conversão nacional dos judeus." - Charles Hodge (1797-1878)
"Eu acredito que os judeus serão finalmente reunidos novamente como uma nação separada, restaurados em sua própria terra, e convertidos à fé de Cristo, depois de passar por grande tribulação..." - J. C. Ryle (1816-1900)

Uma das razões pelas quais esses homens (e muitos homens e mulheres piedosos desde aquela época, inclusive hoje) acreditam na restauração dos judeus é por causa das muitas profecias do Antigo Testamento que apontam para uma gloriosa reunião no fim dos tempos e o despertar espiritual do povo e da nação judaica. Outra razão fundamental é o décimo primeiro capítulo de Romanos que, tomado em seu sentido mais natural e direto, ensina claramente uma restauração de Israel no tempo do fim.



Deus Não Rejeitou Israel

Paulo começa este capítulo perguntando muito diretamente: "Digo, pois, que Deus não rejeitou o seu povo, não é verdade? (v. 1). E ele responde de forma igualmente direta e enfática: "Que isso nunca aconteça! (v. 1). E prossegue afirmando explicitamente: "Deus não rejeitou o seu povo, que ele conheceu de antemão" (v. 2) e que "do ponto de vista da escolha de Deus, eles são amados por causa dos pais; porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis" (vv. 28-29). (As descrições de "Israel" e "Seu povo" ao longo de Romanos 9 - 11 deixam claro que Paulo tem em mente o povo judeu escolhido sob a Antiga Aliança, e não a igreja).


Paulo reconhece que, embora haja um remanescente de judeus crentes, a maioria dos judeus era (e é) endurecida. Mas esse endurecimento é apenas temporário "até que venha a plenitude dos gentios" (11:25; cf. Lucas 21:24 em que Jesus afirma que "Jerusalém será pisada pelos gentios até que se completem os tempos dos gentios"). Por outras palavras, está a chegar o tempo em que o véu que cobre os olhos dos judeus será retirado e eles reconhecerão e receberão Jesus como o Messias (mesmo agora, cada vez mais judeus se voltam para Jesus para a salvação). Paulo diz que, como "ramos naturais", eles serão "enxertados na sua própria oliveira" (11,24), e que a sua realização será a riqueza para o mundo (v. 12) e a sua aceitação será a vida dentre os mortos (v. 15). Paulo está tão maravilhado com a misericórdia que Deus mostrou aos gentios e que, a seu tempo, mostrará aos judeus, que irrompe numa doxologia sobre "as profundezas das riquezas da sabedoria e da ciência de Deus! (ver vv. 32-36).

É claro que Israel não merece tal misericórdia (todos nós não a merecemos), mas a questão última não é o seu mérito ou indignidade, mas a fidelidade de Deus às suas promessas. E Paulo já declarou que a incredulidade dos judeus não anulará a fidelidade de Deus! (Rm 3:1-4).

O Nosso Ministério Em Relação a Israel

Paulo revela que a intenção de Deus é trabalhar através da igreja para trazer os judeus à salvação (11:11). Através da misericórdia mostrada aos gentios, os judeus receberão misericórdia (v. 31). Tragicamente, tem acontecido exatamente o contrário ao longo de grande parte da história da igreja, pois tem havido muita animosidade e perseguição por parte da igreja para com o povo judeu. Mesmo em nossos dias, há um forte elemento de antissemitismo na igreja, e a crença de que Deus rejeitou o povo judeu e o substituiu pela igreja - embora Paulo afirme enfaticamente que Deus não o rejeitou!

À luz de Romanos 11, e de muitas outras passagens, encorajo-o a orar por Israel e pela paz de Jerusalém. Além disso, aproveite todas as oportunidades que o Senhor lhe possa dar para compartilhar o Seu amor e misericórdia com o povo judeu.

Esteja também vigilante. Estamos vivendo no dia em que as profecias do fim dos tempos relativas a Israel está cumprindo-se, e muitas outras profecias também. Esta parece ser certamente a hora de "endireitai-vos e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima" (Lucas 21:28).


Escrito por Rich Carmicheal Traduzido por Carolina Cardoso Autorizado e Retirado do site heraldofhiscoming.org

176 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page